Dia-a-dia

A mídia e sua influência sobre a sociedade / Fonte: Internet

Um novo paradigma social provocado pelas novas tecnologias de informação e comunicação (TIC)

Share
A mídia e sua influência sobre a sociedade / Fonte: Internet

A mídia e sua influência sobre a sociedade / Fonte: Internet

Difícil pensar o mundo atual sem levar em consideração a importância das mídias globais e sua influência sobre a sociedade. Há algumas décadas, os meios de comunicação convencionais ocupam um lugar de grande importância na sociedade. É impossível pensar no mundo globalizado sem refletir acerca das grandes corporações midiáticas espalhadas pelo mundo.

Porta voz oficial do sistema econômico mundial, as grandes corporações midiáticas, exerceram o importante papel de enraizar pelo mundo afora o ideal neo liberalista; de incutir na civilização mundial uma nova cultura, que tem como fundamento o consumismo como única fonte de auto realização.

Tendo como base de reflexão o conceito funcionalista, pode-se afirmar que as mídias convencionais exercem a função de ajudar a estabelecer uma “ordem social” – destacando-se como principal instituição para manutenção dessa dita ordem.

Se tratando de Brasil, a grande mídia vem cumprindo seu papel com excelência. Numa sociedade onde a grande maioria da população não tinha acesso ao conhecimento, se instituir como principal meio formador de opinião não foi difícil. A imparcialidade é o principal argumento utilizado para legitimar o seu discurso junto a sociedade. Assim, as pessoas vão vivendo sob as “verdades absolutas” veiculadas pelos noticiários. Há Décadas a grande mídia vem influenciando a opinião do povo brasileiro, editando e reeditando a história do Brasil.

Importante para refletir essa questão da imparcialidade, é destacar um fato recente, onde as Organizações Globo reconheceu que foi um erro apoiar a ditadura Militar¹.

Mas, afinal, que imparcialidade é essa que apoia um determinado grupo que pretende assumir o poder político de uma nação. Talvez, hoje a sociedade comece a perceber o quanto foi enganada deixando se iludir pelo discurso midiático que se intitulou imparcial e fonte segura de informação e formação a toda sociedade. Essa percepção social está ligada diretamente as novas tecnologias cibernética que estabeleceu uma nova rede mundial de comunicação.

Acompanhamos mundo a fora as revoluções protagonizadas, principalmente, pelos jovens que tem como fonte de informação e questionamento a internet. Essa nova geração não se pauta numa programação televisiva, ao contrário, tem a oportunidade de confrontar as verdades impostas pela instituição mídia com os meios alternativos de comunicação, onde se destaca a comunicação em rede.

No Brasil não está sendo diferente. Em junho do ano passado, as grandes capitais viraram cenário de manifestações, que teve como estopim o aumento da passagem, mas que levou às ruas toda a indignação popular pela falta de políticas públicas. A princípio, a dita mídia imparcial classificou os manifestantes como vândalos desordeiros. Mas, depois frente a massiva onda de manifestação – que crescia em todo o País – se retratou e considerou um momento histórico para o Brasil².

Interessante nessa situação é que nas manifestações da primavera árabe e na Turquia eram manifestantes em busca da democracia, já no Brasil, um bando de desordeiros causando vandalismo e engarrafamentos. Foram inúmeras as respostas dos jovens nas ruas, durante os atos, estampadas em faixas e cartazes em repúdio a mídia manipuladora:

Manifestantes em frente a emissora protestando contra sua postura manipuladora / Fonte: internet

Manifestantes em frente a emissora protestando contra sua postura manipuladora / Fonte: internet

A nova era digital colocou a credibilidade das corporações midiáticas – não só no Brasil, mas em todo mundo – em cheque. O aumento massivo de internautas melhorou o acesso a informação e possibilitou que as pessoas se organizem em redes sociais para questionar o sistema. O número de páginas em redes sociais e blogs disseminados pela internet, possibilitou trazer a público outras verdades antes não veiculadas pela mídia convencional. É a sociedade que começa a enxergar por outro ângulo. Talvez seja um momento de autoconhecimento.

Segundo Marshall McLuhan, “toda tecnologia gradualmente cria um ambiente humano totalmente novo”. Provavelmente, essas manifestações no Brasil, na Turquia, na Europa, assim, como a denominada primavera árabe devem ser sintomas das transformações sociais e culturais que as novas tecnologias digitais estão provocando nesse mundo globalizado.

(*) Artigo publicado originalmente no blog Barraco@dentro.

Bibliografia:

SANTOS, Roberto Elísio dos. As teorias da Comunicação: da Fala a Internet. São Paulo, Editora Paulinas, 2003.

_________________________________________________

¹http://oglobo.globo.com/pais/apoio-editorial-ao-golpe-de-64-foi-um-erro-9771604

² https://www.youtube.com/embed/fdjw00-2nyo

³ https://www.youtube.com/embed/oR5Gcq4Q5Rw

Share

Mais da seção Dia-a-dia

Robin Williams, um herói cômico

robin willians

Recebo com pesar, tristeza a notícia da morte do ator e comediante Robin Williams. Ator que trás para si uma quantidade de títulos e belas interpretações. Várias delas marcaram minha vida. Posso contar os filmes que assisti, seus temas e o que despertaram em mim cada qual. Impossível, não lembrar de: “A sociedade dos poetas mortos” (1989), ou “Patch Adams – O Amor é Contagioso” (1998), ou de “O Homem Bicentenário”(1999)… Leia mais »

A hora é esta companheiros

Em cada momento que passa na vida política do Brasil, aumentam os riscos e a possibilidade de concreção do processo em gestação dos segmentos à direita da sociedade de uma nova forma de fascismo, essa que Boaventura classifica, e eu modestamente venho repetindo, de fascismo societal. Leia mais »

Política, manifestações e o pensamento conservador no Brasil – Parte I

Ao mesmo tempo, também não podem ser ignoradas as situações de manifestação nas ruas desde junho de 2014, fortemente reprimidas pela polícia com o aval do Ministério da Justiça e a omissão da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, as revoltas comunitárias contra as UPPs no Rio de Janeiro e contra a intensificação da gentrificação, a tentativa de invasão do Consulado do Uruguai para prender a advogada e militante de Direitos Humanos Eloisa Samy, a consolidação de coletivos midiativistas, a resistência dos indígenas e dos povos e comunidades tradicionais, que tensionam esse conservadorismo em gestação e questionam o atual cenário político com uma forma de fazer política mais ampla do que nos partidos e organizações e movimentos sociais amalgamados pelo Estado. Leia mais »

Copa dos Sem Peña

Manifestantes formam S.O.S humano na praça Sans Pena, na Tijuca (RJ). Foto: Camila Nobrega.

No ato da Saens Peña o contingente de policiais já era maior do que os manifestantes. Os que protestavam eram formados por jovens, jornalistas, pessoas de mídias alternativas, cineastas, representantes de grupos políticos e professores. Com tempo iam aumentando o número de policiais de tal forma que envolveram a praça. Fizeram um círculo permitindo que entrassem nele, mas até terminar a final do Maracanã as pessoas no interior não poderiam sair. Leia mais »

Os legados da Copa no Brasil têm que chegar a política também…

Xingaram a Dilma na abertura da Copa. O Suarez mordeu e tomou suspensão exemplar. Espanha e Itália saíram na primeira fase. Argélia, Costa Rica e Colômbia fizeram as suas melhores participações em Copas. O Neymar teve a vértebra fraturada. Brasil levou 7X1 da Alemanha. Teve excelentes e bons jogos (como Costa Rica X Holanda, por exemplo) e outros nem tanto. Mas, a Copa do Mundo antes de começar já tinha seus “campeões”, a “artilharia” pesada e seus “perdedores”. Não nos enganemos. Leia mais »