Dia-a-dia

guevara_medicos

Marcelo Salles: O voto consciente dos médicos no segundo turno

Share

guevara_medicosHoje é um bom dia para falar sobre médicos. Há 47 anos era assassinado o médico Che Guevara, por determinação do governo dos EUA. Três palavras aqui: Médico, Guevara e EUA. Reparem que o Che não morreu de causas naturais, ele foi assassinado. O cenário era de guerra fria e a vida não era fácil para quem se opunha aos interesses dos EUA, que promoveram ou apoiaram dúzias de golpes de Estado no continente americano.

Se você acha natural um país promover golpes contra outros países nem precisa continuar lendo. Use seu tempo para coisas mais interessantes. Se você não acha, talvez seja oportuno entender a relação (compreensivelmente omitida pela mídia de massa) entre o assassinato de Guevara, o papel dos médicos e os interesses dos EUA.

Vamos pelo mais fácil (que nem sempre é o mais óbvio): o papel do médico e da médica é trabalhar para o bem estar das pessoas que necessitam de cuidados para sua saúde. Um povo saudável é mais produtivo, pode consumir mais e é mais feliz. Por consequência, um povo saudável faz um país mais desenvolvido.

(Para tanto, o médico e a médica devem ser bem remunerados, para que eles tenham as condições materiais de viveram bem o suficiente para cuidarem de si e exercerem da melhor forma o papel acima descrito).

Os EUA, durante a guerra fria, trabalharam duro para que outro país não emergisse como potência no continente. A Doutrina Monroe era clara: a América para os americanos, sendo que por “americanos” eles entendem os estadunidenses. Em outras palavras: o continente deveria continuar sob o jugo do governo dos EUA. Para alcançar esta estratégia, nada melhor do que impedir que outros países se desenvolvessem, o que explica o apoio deles à ditadura civil-militar de 1964 no Brasil.

Che Guevara teve a firmeza de se opor ao imperialismo. Ao percorrer a América Latina e conhecer a realidade dos povos, descobriu que as raízes da injustiça social tinham a mesma fonte: as políticas agressivas dos EUA diante dos demais países da região, que teve nos empréstimos do FMI uma aparência civilizada, porém extremamente prejudicial à maioria da população. Por isso o Che se uniu aos movimentos de libertação da época.

Durante o período em que viajou conhecendo nossa América, o Che esteve no leprosário San Pablo, no Peru. Lá ele pôde ajudar, como estudante de medicina, a melhorar o bem estar das pessoas que necessitavam de cuidados para sua saúde. No filme Diários de Motocicleta, do brasileiro Walter Salles, há uma cena em que, na noite de seu aniversário, o Che decide cruzar a nado o Rio que separava os atingidos pela hanseníase dos funcionários da colônia. Vencendo a asma que o acompanhava desde a infância, ele alcança o outro lado da margem e ali comemora seu aniversário. Com a atitude, Che mergulha para nunca mais sair da essência que o fez médico.

Mas o que isso tema ver com o processo eleitoral brasileiro? Tudo. E mais um pouco.

Tenho plena consciência de que muitos médicos brasileiros estão chateados com o governo do Partido dos Trabalhadores. A esses médicos eu devo dizer claramente: vocês têm razão em estar chateados com este governo. Porque, como médicos, vivenciam as mazelas do sistema de Saúde que precisa ser melhorado na rede pública, mas também na rede privada. Estou convencido de que vocês querem oferecer melhores tratamentos às pessoas que mais necessitam, afinal de contas a vocação de vocês é essa. Também tenho certeza de que vocês reclamam do programa Mais Médicos não por interesse próprio, corporativo, mas porque vocês querem que ele atinja ainda mais brasileiros para, desta forma, tornar o país ainda mais desenvolvido.

Por isso, tenho certeza de que os médicos e as médicas conscientes farão a escolha certa no dia 26 de outubro. Irão escolher o projeto que mais desenvolveu o Brasil, e não aquele que mergulhou o país no atraso, no desemprego, praticamente um país-pedinte do FMI. Os números estão aí pra quem quiser ver e comparar. A escolha do dia 26 não é um fla x flu e muito menos por um salvador da pátria. A escolha deve ser racional: qual projeto fez mais pelos desassistidos do país? Porque esta pergunta fará com que se recordem, doutores, do juramento profissional que fizeram para conquistar vossos respeitados diplomas.

(*) Marcelo Salles é jornalista. Artigo publicado originalmente no blog Vi o mundo.

Share

Mais da seção Dia-a-dia

A luta agora é pela alimentação adequada

chico menezes

“O compromisso agora é para além do mínimo, é por uma alimentação saudável e adequada para todos os brasileiros”, enfatizou. Chico Menezes -ex-presidente do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), pesquisador no Ibase e Action Aid Brasil – deixou claro que o debate da segurança alimentar deve ser aprofundado, em um momento no qual a obesidade, por exemplo, cresce entre todas as camadas sociais brasileiras. E faz uma análise que separa o joio do trigo nas políticas públicas. Leia mais »

Um novo paradigma social provocado pelas novas tecnologias de informação e comunicação (TIC)

A mídia e sua influência sobre a sociedade / Fonte: Internet

Difícil pensar o mundo atual sem levar em consideração a importância das mídias globais e sua influência sobre a sociedade. Há algumas décadas, os meios de comunicação convencionais ocupam um lugar de grande importância na sociedade. É impossível pensar no mundo globalizado sem refletir acerca das grandes corporações midiáticas espalhadas pelo mundo. Leia mais »

Robin Williams, um herói cômico

robin willians

Recebo com pesar, tristeza a notícia da morte do ator e comediante Robin Williams. Ator que trás para si uma quantidade de títulos e belas interpretações. Várias delas marcaram minha vida. Posso contar os filmes que assisti, seus temas e o que despertaram em mim cada qual. Impossível, não lembrar de: “A sociedade dos poetas mortos” (1989), ou “Patch Adams – O Amor é Contagioso” (1998), ou de “O Homem Bicentenário”(1999)… Leia mais »

A hora é esta companheiros

Em cada momento que passa na vida política do Brasil, aumentam os riscos e a possibilidade de concreção do processo em gestação dos segmentos à direita da sociedade de uma nova forma de fascismo, essa que Boaventura classifica, e eu modestamente venho repetindo, de fascismo societal. Leia mais »

Política, manifestações e o pensamento conservador no Brasil – Parte I

Ao mesmo tempo, também não podem ser ignoradas as situações de manifestação nas ruas desde junho de 2014, fortemente reprimidas pela polícia com o aval do Ministério da Justiça e a omissão da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, as revoltas comunitárias contra as UPPs no Rio de Janeiro e contra a intensificação da gentrificação, a tentativa de invasão do Consulado do Uruguai para prender a advogada e militante de Direitos Humanos Eloisa Samy, a consolidação de coletivos midiativistas, a resistência dos indígenas e dos povos e comunidades tradicionais, que tensionam esse conservadorismo em gestação e questionam o atual cenário político com uma forma de fazer política mais ampla do que nos partidos e organizações e movimentos sociais amalgamados pelo Estado. Leia mais »

Copa dos Sem Peña

Manifestantes formam S.O.S humano na praça Sans Pena, na Tijuca (RJ). Foto: Camila Nobrega.

No ato da Saens Peña o contingente de policiais já era maior do que os manifestantes. Os que protestavam eram formados por jovens, jornalistas, pessoas de mídias alternativas, cineastas, representantes de grupos políticos e professores. Com tempo iam aumentando o número de policiais de tal forma que envolveram a praça. Fizeram um círculo permitindo que entrassem nele, mas até terminar a final do Maracanã as pessoas no interior não poderiam sair. Leia mais »