Dia-a-dia

extrato veja

Sem alarde da mídia, Alckmin renova 5,2 mil assinaturas da Veja

Share

extrato vejaPor Rede Brasil Atual,

No último dia 14 de junho, enquanto as atenções estavam voltadas para os protestos nas ruas de São Paulo, o Diário Oficial do Estado publicou a compra – sem licitação – de 5.200 assinaturas semestrais da revista Veja para serem distribuídas nas escolasda rede pública. O valor contratado foi de R$ 669.240,00, a ser desembolsado em nome da Fundação para o Desenvolvimento da Educação, órgão do governo estadual.

Há anos os governos tucanos paulistas recebem duras críticas pela compra em grande volume destas revistas e jornais. As críticas começam pela dispensa de licitação, afinal há pelo menos outras três revistas semanais no Brasil que concorrem com a Veja.

A linha editorial da publicação é, digamos assim, a mais simpática ao governo paulista e hostil à oposição dentro do estado. E isso atrai questionamentos aos governadores tucanos da vez, sobre haver mais interesse político próprio do que público nesta compra.

Outro ponto polêmico é se a revista é realmente adequada para ser direcionada ao ambiente escolar, tantas são as polêmicas em torno de suas reportagens. E não me refiro apenas aos diversos casos que ensejaram processos e condenações, seja de indenização por danos morais, seja de direitos de resposta.

Há também casos de reportagens contestadas e repelidas pelo meio acadêmico e científico, inclusive um caso de apologia ao consumo de remédios para emagrecer que haviam sido proibidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). E lembremos que, no ano passado, a revista esteve envolvida com o escândalo do bicheiro Carlinhos Cachoeira, cujas interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça captaram diálogos que sugerem estreita proximidade entre o alto escalão da Veja, bem acima do recomendável e até hoje mal explicada.

Com esse perfil editorial, que não podemos chamar de educativo, seria melhor o governador Geraldo Alckmin deixar que quem a queira ler que a compre, em vez de fazer distribuição compulsória para escolas com dinheiro público.

Além disso, a revista sequer está direcionada para a faixa etária dos estudantes. A própria editora Abril publica, em seu perfil dos leitores que apenas 11% têm mais de dez e menos de 19 anos. A maior fatia de leitores tem mais de 50 anos.

Mesmo que não existisse nenhum dos argumentos anteriores, recente pesquisa da Fundação Perseu Abramo registrou que 37% dos entrevistados se informam pela internet, contra 24% por revistas impressas. A pesquisa ouviu 2,4 mil pessoas de todas as idades acima de 16 anos. Se fosse refeita só com a faixa etária de estudantes até o ensino médio, a diferença a favor da internet seria muito maior, pois as novas gerações usam intensamente as redes. Por isso, o mais provável é que grande parte dos exemplares comprados para as escolas fiquem encostados em vez de serem lidos pelos alunos, o que revela um mau gasto de dinheiro público.

Enfim, a decisão de continuar comprando estas assinaturas é muito boa para os interesses empresariais dos donos da revista, inclusive sustentando a tiragem artificialmente, o que segura o preço dos anúncios. Pode ser boa também para os interesses políticos do governador, mas é péssima para os cofres públicos paulistas e para os estudantes das escolas públicas.

Share

Mais da seção Dia-a-dia

Agito das estruturas romanas

Vaticano realizou o Sínodo das Famílias com o tema: “Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização”. Foto: Operamundi.

De 5 a 19 de outubro de 2014, o Vaticano realizou o Sínodo das Famílias com o tema: “Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização”. O evento consistiu na reunião de bispos, padres e leigos com o intuito de discutir pontos doutrinários ou temas pastorais, a exemplo da homossexualidade, divórcio, segunda união, pedofilia, poligamia, dentre outros assuntos acomodados no advento da modernidade. Leia mais »

Marcelo Salles: O voto consciente dos médicos no segundo turno

guevara_medicos

Hoje é um bom dia para falar sobre médicos. Há 47 anos era assassinado o médico Che Guevara, por determinação do governo dos EUA. Três palavras aqui: Médico, Guevara e EUA. Reparem que o Che não morreu de causas naturais, ele foi assassinado. O cenário era de guerra fria e a vida não era fácil para quem se opunha aos interesses dos EUA, que promoveram ou apoiaram dúzias de golpes de Estado no continente americano. Leia mais »

A luta agora é pela alimentação adequada

chico menezes

“O compromisso agora é para além do mínimo, é por uma alimentação saudável e adequada para todos os brasileiros”, enfatizou. Chico Menezes -ex-presidente do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), pesquisador no Ibase e Action Aid Brasil – deixou claro que o debate da segurança alimentar deve ser aprofundado, em um momento no qual a obesidade, por exemplo, cresce entre todas as camadas sociais brasileiras. E faz uma análise que separa o joio do trigo nas políticas públicas. Leia mais »

Um novo paradigma social provocado pelas novas tecnologias de informação e comunicação (TIC)

A mídia e sua influência sobre a sociedade / Fonte: Internet

Difícil pensar o mundo atual sem levar em consideração a importância das mídias globais e sua influência sobre a sociedade. Há algumas décadas, os meios de comunicação convencionais ocupam um lugar de grande importância na sociedade. É impossível pensar no mundo globalizado sem refletir acerca das grandes corporações midiáticas espalhadas pelo mundo. Leia mais »

Robin Williams, um herói cômico

robin willians

Recebo com pesar, tristeza a notícia da morte do ator e comediante Robin Williams. Ator que trás para si uma quantidade de títulos e belas interpretações. Várias delas marcaram minha vida. Posso contar os filmes que assisti, seus temas e o que despertaram em mim cada qual. Impossível, não lembrar de: “A sociedade dos poetas mortos” (1989), ou “Patch Adams – O Amor é Contagioso” (1998), ou de “O Homem Bicentenário”(1999)… Leia mais »

A hora é esta companheiros

Em cada momento que passa na vida política do Brasil, aumentam os riscos e a possibilidade de concreção do processo em gestação dos segmentos à direita da sociedade de uma nova forma de fascismo, essa que Boaventura classifica, e eu modestamente venho repetindo, de fascismo societal. Leia mais »